O desafio dos nossos dias...

01
Nov 13

 

 

 

 

Na nota pastoral, o Bispo de Angra, D. António de Sousa Braga, lembra que este ano não é feriado mas a Igreja continua a celebrar o dia de Todos os Santos, 1 de Novembro.

“Como é um dia normal de trabalho isso vai dificultar a manutenção da linda tradição que é o Pão por Deus”, refere o prelado açoriano que convoca todas as paróquias para “em diálogo com a escolas” não deixarem morrer esta tradição.

“Nada impede que essa tradição, muito sentida e vivida nos Açores, passe para o Domingo seguinte. É só experimentar”, acrescenta o Bispo de Angra na nota pastoral.

O Pão por Deus é uma “tradição muito viva” nos Açores, impulsionada pelas escolas católicas e que está a ser recuperada como uma tradição cultural pelas escolas do ensino público regional, sobretudo as do ensino básico.

Este ano o dia 1 de Novembro coincide com uma sexta-feira e, pela primeira vez, em muitos anos, não será feriado. Este ano até coincide com o debate do Orçamento de Estado para 2014.

A data foi um dos feriados religiosos que desapareceu do calendário português na sequência do acordo entre o Executivo e a Santa Sé, depois de ter sido subscrito em sede de concertação social.

O Governo já admitiu poder rever este feriado em 2018. O outro feriado religioso cortado é o do Corpo de Deus, assinalado 60 dias após a Páscoa.

 

DESDE 1756

 

A tradição do Pão Por Deus remonta a 1756, um ano depois do sismo que devastou Lisboa. A pobreza que atingia a capital agravou-se com a destruição provocada pelo abalo de terra e um ano depois os lisboetas saíram à rua para pedirem Pão por Deus para “matar” a fome.

Nas décadas de 60 e 70, por imposição da ditadura do Estado Novo, o Pão Por Deus só podia ser pedido por crianças, menores de 10 anos e, apenas, até ao meio dia.

Pão, frutos secos e agora guloseimas é o que costuma ser pedido pelos mais novos que, inclusivamente, se arranjam com sacos bem decorados para irem para a rua pedir.

Hoje, o Pão por Deus mistura-se um pouco com uma outra tradição pagã, Halloween, importada dos países anglo saxónicos e introduzida no país pelos professores de inglês. A noite das bruxas leva à rua centenas de crianças que pedem guloseimas. Só que ao contrário das doçuras ou travessuras, no Pão Por Deus, tradição católica, as crianças pedem e se por acaso nada lhes é oferecido não ripostam com qualquer travessura.

O Pão por Deus, juntamente com as romarias aos cemitérios para depositar flores (crisântemos) nas campas, é um dos hábitos do 1º de Novembro, dia que a Igreja Católica celebra como o Dia de Todos Os Santos.

De acordo com a Enciclopédia Católica, este dia “destina-se a honrar todos os santos conhecidos e desconhecidos” e começou a ser praticado no século II, em homenagem aqueles que, de entre os seus, haviam sido perseguidos e martirizados e que partiram para o Céu, para junto de Jesus.

A comemoração regular deste dia só começou a ser feita, no entanto, a partir de 610 por decisão do Papa Bonifácio III, e a definição específica do dia 1 de Novembro só se fixou um século mais tarde, no Pontificado de Gregório III.

Da liturgia deste dia importa lembrar que “Não é só por causa do seu exemplo que veneramos a memória dos bem-aventurados, mas ainda mais para que a união de toda a Igreja no Espírito aumente com o exercício da caridade fraterna”.

www.jornaldapraia.com

 

publicado por emcontratempo às 12:45

Novembro 2013
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15
16

17
18
19
20
21
22
23

24
25
26
27
29
30


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

mais sobre mim
pesquisar
 
contador
Contador de visitas
visitantes
blogs SAPO