O desafio dos nossos dias...

17
Out 11

 

"A indulgência para com o vício é uma conspiração contra a virtude."

Barthélemy

publicado por emcontratempo às 12:55

16
Out 11

 

"Destrói os erros, mas ama os que erram".

Santo Agostinho

publicado por emcontratempo às 06:01

15
Out 11

 

Quando é por bem, o arrependimento é sempre uma nobre mudança de vida.

mnm2011.10.06

publicado por emcontratempo às 12:38

14
Out 11

 

 

 

 

"Não permita que o Outono lhe tire a esperança da Primavera" 

 

 

publicado por emcontratempo às 12:51

13
Out 11

 

 Sexta e última aparição: 13 de outubro de 1917

Já era o Outono. Uma chuva persistente e forte transformara a Cova da Iria num lamaçal e encharcava a multidão de 50 a 70 mil peregrinos, vindos de todos os cantos de Portugal. Assim que chegaram os videntes, Lúcia pediu que fechassem os guarda-chuvas para rezarem o Terço. E, pouco depois, houve o reflexo de luz e Nossa Senhora apareceu sobre a carrasqueira.

 

milagre-do-sol1

“Quero dizer-te que façam aqui uma capela em minha honra, que sou a Senhora do Rosário, que continuem sempre a rezar o Terço todos os dias. A guerra vai acabar e os militares voltarão em breve para suas casas.”

Ao pedido de cura para uns doentes e conversão para alguns pecadores, Nossa Senhora respondeu:

Uns sim, outros não. É preciso que se emendem, que peçam perdão dos seus pecados”.

E tomando um aspecto triste, Ela acrescentou:

“Não ofendam mais a Deus Nosso Senhor que já está muito ofendido”.

E, abrindo as mãos, fê-las refletir no sol, e enquanto Se elevava, continuava o reflexo da sua própria luz a projetar-se no sol

Visões de cenas simbolizando os Mistérios gozosos, dolorosos e gloriosos do Rosário

Chovera durante toda a aparição. Lúcia, no término de seu colóquio com Nossa Senhora, gritara para o povo: “Olhem para o sol!” Rasgam-se as nuvens, e o sol aparece como um imenso disco de prata. Apesar de seu intenso brilho, pode ser olhado diretamente sem ferir a vista. As pessoas o contemplam absortas quando, de súbito, o astro se põe a “bailar”. Gira rapidamente como uma gigantesca roda de fogo. Pára de repente, para dentro em pouco recomeçar o giro sobre si mesmo numa espantosa velocidade. Finalmente, num turbilhão vertiginoso, seus bordos adquirem uma cor escarlate, espargindo chamas vermelhas em todas as direções. Esses fachos refletem-se no solo, nas árvores, nos arbustos, nas faces voltadas para o céu, reluzindo com todas as cores do arco-íris. O disco de fogo rodopia loucamente três vezes, com cores cada vez mais intensas, treme espantosamente e, descrevendo um ziguezague descomunal, precipita-se em direção à multidão aterrorizada. Um único e imenso grito escapa de todas as bocas. Todos caem de joelhos na lama e pensam que vão ser consumidos pelo fogo. Muitos rezam em voz alta o ato de contrição. Pouco a pouco, o sol começa a se elevar traçando o mesmo ziguezague, até o ponto do horizonte de onde havia descido. Torna-se então impossível fitá-lo. É novamente o sol normal de todos os dias.

O ciclo das visões de Fátima estava encerrado.

Os prodígios haviam durado cerca de 10 minutos. Todos se entreolhavam perturbados. Depois, a alegria explodiu: “O milagre! As crianças tinham razão!” Os gritos de entusiasmo ecoavam pelas colinas adjacentes, e muitos notavam que sua roupa, encharcada alguns minutos antes, estava completamente seca.

O milagre do sol pôde ser observado a uma distância de até 40 quilômetros do local das aparições.

www.fátima.arautos.org

publicado por emcontratempo às 11:06

12
Out 11

 

"Deixem que as pessoas saibam a verdade e a Nação estará segura e a salvo".

Lincol

(Nasceu a 1809, morreu a 1865.

Foi Presidente dos EUA)

publicado por emcontratempo às 11:14

11
Out 11

 

"Volta a língua na boca sete vezes antes de falar uma só, que tuas palavras serão medidas".

 

publicado por emcontratempo às 15:49

10
Out 11

 

Por aqui, na minha aldeia, passava de vez em quando, um velhinho de São Jorge de apelido Tio Sabino.
 
Pobre velhote, por certo inofensivo vinha sempre descalço e com um saco de serapilheira às costas.
 
Então quando éramos pequenas, e não queríamos comer:
- Olha que aí vem o velho do saco, replicava a avó, replicava a mãe.
 
Ou então se era para dormir as mães e avós ameaçavam o nosso infantil medo com o "velho do saco",
história por certo já antiga, que fora por elas personalizada no Tio Sabino.
 
Ao que ficávamos quietinhas, mesmo que sem dormir, até que o sono viésse.
 
Pois que ele não percebendo o barulho, passásse sempre.
 
Contávam, que ele nos punha dentro do saco e levava consigo, para onde não sei.
 
Ele, o tal velhinho, até era simpático.
 
Nós é que não queríamos lá muito contacto com ele, pois amedrontava-nos.
 
Sabendo que ele existia de verdade, é que tudo piorava.
 
Não era nenhum conto da mãe ou da avó, para nos aquietármos e dormirmos, era mesmo verdade, pois até já o havíamos visto.
 
Pois este velho era um papão para mim e para toda a rapaziada pequena da minha aldeia.
 
Quantas vezes tive que comer toda a sopa, sossegar e dormir debaixo daquele medo, para que ele não me levásse.  
 
Então se era de noite, vislumbrávamos o dito velhote a cada canto.
 
Assustádos aquietávamo-nos.
 
O sono chegava.
 
Afinal, de barriguitas cheias de sopa, era mais que natural que o sono batesse à porta.
 
E mesmo com a algazarra que fazíamos o sono vinha.
 
Mais não fora o susto do velho, para ali ficávamos inertes até de madrugada.

09
Out 11

 

" Outubro meio chuvoso torna o lavrador venturoso."

publicado por emcontratempo às 23:45

08
Out 11

 

 

 

Aceitar o apelo de Cristo é um modo seguro de responder à vossa vocação de ser adulto plenamente maduro.

João Paulo II

 

Rezemos pois, por todos os que se sentem chamados.

publicado por emcontratempo às 14:37

Outubro 2011
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9

19
21

23
24
26
27
29

30
31


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds
mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO