O desafio dos nossos dias...

18
Set 12

 

que eu tive e ainda guardo religiosamente

 

 

 

 

 

 

publicado por emcontratempo às 12:59

 

 

 [espalamaca01.jpg]

 

 

 

[calheta01.jpg]

 

 

da net

publicado por emcontratempo às 12:56

 

Vende em casa e compra na feira se queres sair da lazeira.

publicado por emcontratempo às 11:50

 

 

Somos um bando 
De passarinhos; 
Vimos agora 
Dos nossos ninhos. 
Asas sem penas, 
Pobres de nós! 
Olhos sem brilho, 
Línguas sem voz.


Olhos bondosos
Do mestre-escola,
Fartai os nossos
Da vossa esmola.
Dai-nos abrigo
No coração;
Dai-nos o trigo 
Do vosso pão.


Pão de ventura, 
Pão de riqueza, 
Manjar de beijos 
Na nossa mesa.
Farinha rara,
De estimação,
Tem o fermento
Do coração.


Portais da escola,
Dai arribada
Às cotovias
Da madrugada.
Asas sem jeito,
Línguas sem voz,
Almas ceguinhas,
Pobres de nós!


Adolfo Portela

 

(versos do tempo de meus pais e meu, que se cantava na escola)

 

Acho-os um encanto, pois a maneira carinhosa com que se fala dos aprendizes, dos professores, do seu saber a ensinar, da escola.

mostra claramente que a escola naqueles anos era ansiada em vez de aborrecida, apesar dos poucos recursos.


... e agora por todo o esforço que se faça, fora desta, há muita "coisa" que cativa, estão fartos de tudo e coitados, esse tudo é só efémero, vazio, pouco fica, por mais que se chame a atenção, parece mesmo uma epidemia de (des)valores...



publicado por emcontratempo às 11:38

 

 

www.portodamadalena.blogspot.com

 

Vinhos dos dabney do Faial produzido no Pico

publicado por emcontratempo às 11:30

 

O tempo não se compra nem se vende, usa-se bem.

peregrina

publicado por emcontratempo às 11:25

 

 

... nunca mais se pode esquecer...

os registos são da saudade...

são de dor e tristeza...

do sofrimento por que passaste

e que tão cedo nos deixaste...

muito mais pobres porque lesadas da tua companhia.

nossos olhos percorrem o tempo,

que distâaaaaaaaaaaaaaaancia...

mas para nós parece sempre que foi ontem,

continuas sempre e sempre,

na nossa memória...

que saudaaaaaades...

Os registos são

da pureza e felicidade das nossas infâncias...

brincando juntas,

juntas dormindo a sesta,

enquanto,

nossas mães iam ao poço,

ou à lenha para virem fazer massa para casa,

ou à moagem, do sr Joaquim,

sabes...

ou ainda à erva das galinhas, colhida entre vinhas,

ou então à costa apanhar umas lapas para a ceia,

sabes que elas punham o xaile na janela,

para que dormíssemos,

pois o sol lá fora, espraiava-se nos céus...

era assim,

eram tão doces esses momentos...

mesmo na nossa santa pobreza...

que saudades, Fátima, que saudades...

Estavamos lá as três juntinhas.

Tu a Alda e eu,

às vezes era difícil começarmos a dormir,

mas, daí a bocado,

lá vinha ele habitar nossos olhitos inocentes...

e depois...

quando elas chegavam,

voltávamos a ir brincar para a vinha do Tio Caboz,

lembras-te...

era com testos de loiça partida,

conchinhas que encabávamos em galhitos de lenha,

eram as nossas colheres,

tudo dava para resolver um problema,

naquelas casitas entre os arbustos da erva de varredouro 

e de faias novas,

sim,

que seus ramos mais amadurecidos

eram cortados para os animais,

ou então para secarem para lenha.

nesse tempo era assim, por cá...

não haviam fogões a gaz

eram as grelhas ou então alguma chapa metida nos lares

ou ainda sobre os lares dois blocos de cimento,

e os fornos a lenha, alguns ainda todos no interior das cozinhas,

outros já como os nossos ,

apenas o lar cá dentro com sua grande chaminé,

assim já não havia tanto fumo,

como quando o forno ficava todo dentro da cozinha,

não havendo porém nenhuma chaminé.

Ainda me lembro do de casa do teu avô paterno,

Tio Manuel Rodrigues, entre outros.

mas... e continuando,

as nossas casitas de brincar,

todas bem divididas:

ora ali era a cozinha,

acolá a sala,

além os quartos de cama,

lindo!!!

Havia de tudo...

Onde nada havia...

Santa inocência...

Que saudades minhas irmãs.

Para ti aí no céu enviamos hoje,

hoje sim,

tu sabes hoje que dia é

daqui vai o nosso beijinho de parabéns.

Sabes, não sabes?!

Somos nós as tuas primas/irmãs,

de coração,

Beeeeeeeijiiiiiinho, Fátima!!!!!

publicado por emcontratempo às 09:27

 

Em 1289 fabricaram a primeira louça de barro.

 

Mas para mim, existiu desde o dia em que ouvi este pregão...

Quando era pequena, passava lá na minha aldeia, um vendedor de loiça de barro.

O homenzinho, tinha um falar pesado e fechado.

Lembro-me sempre daquele pregão:

Oh loiça de baaaaarro...

e eu tinha medo daquele pregão.

lembrava-me um papão velho,

que os meus me cantavam,

para eu comer todas as papas ou toda a sopa.

Certo dia, eis-me na "horta de fora", como assim chamávamos.

Havia ido por ordem de minha mãe apanhar alguns cachos de uva.

Sim é que havia junto de uma zona de rocha, uma parreira de uva isabel.

Começo a ouvir o tal pregão e, pernas para que te quero, já estava na cozinha.

Mas era no tempo das batatas e da fruta que o tal fulano vinha.

Então minha mãe resolveu comprar uma panela e não sei se mais qualquer coisa.

Pagou com batatas brancas, que o homem levava depois em carro que fretava para vir buscar.

Era assim, naquele tempo.

Ou trocava-se por batatas, por vinho ou por milho.

Mas eu cá só tinha mesmo era medo do tal pregão.

Oh loiça de baaaaaaaarro!

Santos tempos!

 

 

publicado por emcontratempo às 09:19

Setembro 2012
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
15

17
21
22

23
24
25
27
28
29

30


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds
mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO