O desafio dos nossos dias...

17
Jan 12

 

"De esperança vive o homem até que morre".

publicado por emcontratempo às 14:17

29
Nov 11

 

«Não há como mudar o nascer e o morrer, a não ser saborear o intervalo».

publicado por emcontratempo às 12:32

15
Abr 11

 

"Não morre quem para Deus vive".

R. de Alarcon

publicado por emcontratempo às 16:01

20
Jan 11

 

Matas o corpo das crianças porque o temor te matou o coração; e julgas que poderás viver muito tempo, quando matas a própria vida.

S. Quod Vuldeus

publicado por emcontratempo às 13:03

15
Nov 10

 

 

" O Amor é tormento; a falta de amor é a morte".

Marie von Ebner Eschenbach

publicado por emcontratempo às 11:41

02
Out 10

 

Eu sou uma desgraçada,

no Mundo não tenho nada,

o meu conforto acabou.

É bem triste a minha vida,

eu sei bem que estou perdida

e a minha mãe me faltou

 

Com este golpe tão profundo,

para que vim eu ao mundo,

padecer sem ter ninguém.

Pai Celeste vela por mim,

não posso viver assim,

leva-me para minha mãe.

 

Tens quem vele por tua vida,

não chores ó filha querida,

sinto bem a tua dor.

Como é triste a orfandade

e quando na tua idade,

um verdadeiro horror.

 

Também conhecia voz latente

que me acarinha fortemente

tua mãe falta me fez

quanto é grande a minha dor

tua mãe, ó meu amor,

deixou-me na viuvez.

 

Vamos correndo a nossa sorte,

não falemos mais na morte

daquela que eu tanto amava.

Como foi é que eu não sei

e mesmo nunca pensei

que tão cedo nos deixava.

 

E mesmo nesta orfandade

e na maior humildade

de quem conforto não tem,

ainda me resta um aizinho

que me afaga com carinho

fingindo a minha mãe.

 

Somos ambos desgraçados

a cumprir os tristes fados

que a sorte nos destinou.

Somos dois orfãos na vida,

gemendo a falta sentida

que esta santa nos deixou.

 

(versos escritos por minha mãe e que encintrei há pouco tempo, entre fotos e recordações dos meus pais.

Querida mãe, tinhas dezanove anos aquando do falecimento da minha querida avó Maria da Glória que infelizmente não conheci.

Hoje, volvidos tantos anos daqui vos envio um beijinho de luz.

Olhem, olhem aquelas estrelitas faíscando muídinho...

...é para vós que eternamente saudosa vos mando este beijiiiiiiinho e ...

do meu rosto, cá na terra caí silenciosa uma lágrima devagarinho,

como a acarinhar-me deste aí que solto e vaiiiiii........ neste beijinho.......)

publicado por emcontratempo às 23:07

03
Nov 09

 

 

Pode-se morrer mais de uma vez. A sepultura é que é só uma para cada homem.

Camilo Castelo Branco

publicado por emcontratempo às 12:17

04
Nov 08

 E eu lavada em lágrimas...

 lagrimas

da net 

 

-Que fazes ai criança,

sentada nesse penedo?!

-Quero ir ao cemitério,aaã aaã,

mas sózinha tenho medo.

 

-Que queres tu ir lá fazer,

se tu lá no vês ninguém?!

-Quero is beijar a campa, aaã,aaã,

a campa da minha mãe.

 

-Então tua mãe morreu,

sendo tu tão pequenina?!

-E morreu meu pai também, aaã, aaã,

enterrado numa mina.

 

Então com quem vives tu,

se já não tens pai nem mãe?!

-Eu vivo com meu irmão, aaã, aaã,

visto não ter mais ninguém.

 

-Então tu queres ir comigo,

que eu por ti velarei?!

bem haja minha senhora, aaã, aaã,

meu futuro encontrarei.

 

Estes versos decorei-os depois de os ter ouvido num teatro no Valverde, ainda em criança.

Desconheço o seu autor ou autores.

Sei que por esses anos íamos ao Valverde a pé ver o teatro que normalmente vinha de trás da Ilha, Piedade, ou Ribeirinha, não sei precisar.

Entre outros ficaram-se-me na memória estes versos que é de chorar até o coração se partir.

publicado por emcontratempo às 00:59

Setembro 2018
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds
mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO