O desafio dos nossos dias...

15
Mai 14

 

Minha Mãe... que saudades...

 

 

Nossa Senhora Mãe dos Emigrantes

 

Emigrante por amor ao Amor

de si nascido,

partiu a Virgem Maria

para uma terra distante...

num mundo desconhecido.

 

Parte o emigrante

como parte andorinha...

nas asas que a levam céus fora

ou nos olhos rasos de água

levam lembranças da casa, dos beirais,

do ninho, das rosas,

da planície e da serra.

Das ondas do mar, formosas.

Levam a mágoa,

o azul do céu e a cor da terra.

no coração do emigrante vão saudades e esperança

e o canto do rouxinol

e o toque da Avé Maria.

À hora do pôr do sol.

No momento da abalada.

Cheio de amor e confiança canto a canto

sussurrando:

Senhora, Mãe muito querida,

levo-te em mim gravada,

tu serás o meu cantar

quando estiver magoado (a)...

Um cantar de amor sem fim.

Hei-de voltar como volta a andorinha

e Vós em mim, Senhora minha.

Maria Luísa Vaz Freire

publicado por emcontratempo às 16:29

03
Jan 13

 

Fim de ano

 

O vento, sem descanso, claro e forte

traz-nos o som de mito e fantasia. 

Tangendo os sinos, já perto, já longe

proclamam próximo o Novo Dia.

- Senhor do tempo para quem os anos

brandos como as nuvens se desfazem!

Escuta a voz das nossas esperanças

e os receios que os dias findos trazem!

- Está aberto o livro onde escritos

se lêem as acções e os pensamentos,

As cobardias e as lutas que tivemos,

o destino de todos os momentos.

Grande Juíz! Talvez agora alcances

a folha onde se encontram minhas contas,

e então Tu vejas o que me ordenaste

omisso, por fazer, - mil e uma afrontas.

Por clemência, meu Deus, desfaz o escrito.

Deixa que comece de novo o ano;

Não registes vergonhas, erros meus

Regista, sim, de vida o novo plano.

Caí? - Senhor, de novo eu torno à via,

firmando o pé, mais uma vez, Senhor.

Lembra-te de mim, neste Novo Dia.

 

Cardeal Alexandre do Nascimento

 

publicado por emcontratempo às 10:29

15
Dez 12

 

 só aqui...

a paz é verde,
o silêncio abraça o arvoredo,
harmonia é a toada da passarada,
ao amanhecer!
 
só aqui...
o vento, a aragem, a brisa,
são salgadas e azuís,
ondeadas de plumas brancas!
 
só aqui...
o cheiro a terra rasgada,
sabe-me a pão e a fartura,
a chaminé branca,
a brasa,
o calor familiar,
a ternura!
 
só aqui...
os incensos são o perfume
  envolvente do ar
que me penetra as narinas.
 
só aqui...
tudo é maravilha,
tudo é  beleza,
neste cantinho recôndido,
do meu lugar!
 
só aqui...
a natureza gratuita
me embebe e me embala,
ao passar,
esvoaçando saudações!
 
só aqui...
no meu parreiral!
by peregrina
publicado por emcontratempo às 15:17

09
Out 12

 

 

Quando fora do teu leito,

me sentindo estrangeira,

como é bom, como me deleito,

como arde o coração em meu peito,

ouvir entre os transeuntes, em jeito

de voz soando a conhecida,

oh como é bom, Pátria amiga.

 

Ao seguirmos nas ruas, vielas, prenhas

de gente balbuciando, se solta um grito,

um eih, olá, não me conheces, sou do Pico!

E, aí o coração palpita, em alegria tamanha,

ao soar a linguagem, que o ouvido não estranha.

 

Oh saudosa terra amada, pequeno torrão natal,

mesmo longe, estás gravada, guardada,

em pequenino lugar, para sempre acalentada,

no peito se me bate o coração,

minha doce terra amada, cantinho de Portugal.

peregrina

publicado por emcontratempo às 09:42

 

Nenhum prazer há na vida

de maior valor ou brilho,

que tenha a expressão querida

do riso do nosso filho...

 

Não dês a ninguém o gosto

de ver pela tua face.

na tristeza do teu rosto,

o que em tua alma se passe...

 

Guarda escondido contigo

o amargor que te acabrunha.

não deixes o teu inimigo

do teu mal ser testemunha...

 

Conquista a todos na terra,

com a alegria do teu riso.

Faz o bem. Nele se encerra

a chave do paraíso.

 

Nossa vida tem diversos

labirintos complicados:

Tem seus sentidos inversos

e mil caminhos cruzados.

 

Um paradoxo qualquer,

sempre da vida nos vem:

- Quando a gente tem, não quer...

- Quando a gente quer, não tem...

 

Deixa a Parca desfiar

a trama do tempo obscuro...

não procures penetrar

nos segredos do futuro...

 

Tudo podes conseguir

com perfeita honestidade,

se souberes persistir,

tendo força de vontade...

 

É caprichoso o Destino,

caprichoso por demais:

A quem quer muito, dá menos,

A quem quer menos, dá mais...

 

É lindo o fim do poente,

Quando no estendal da areia,

depois do quarto crescente

pontifica a lua cheia...

 

Gosto de ficar sózinho,

solitário como um monge,

para ouvir, devagarinho,

um som de música ao longe...

 

Cai a tarde. No ar flutua

doce paz de um céu azul...

e à noite cintila a Lua,

brilha o Cruzeiro do Sul...

 

Silêncio. Sómente o vento,

lá fora em violento açoite,

perturba o recolhimento,

quebra a paz da escura noite...

 

As crianças são anjinhos

em cuja graça se encerra

a mensagem de carinhos

por Deus enviada à Terra...

 

Quem almeja alguma coisa

ter-se-á bem aconselhado,

se o que quer com força ousa,

mas muito, muito calado...

 

Verás que na vida inteira,

só nos vale a paz serena;

no mais tudo é canseira,

tudo o mais, não vale a pena...

 

Petrarca do Maranhão (bras.)

publicado por emcontratempo às 09:41
tags: ,

19
Set 12

 

 

Linda pastorinha!

Que fazes por 'qui?!

 

Falando verdade,

que mentir não sei,

pastorando o meu gado,

pastorando o meu gado,

que aqui deixei.

 

Linda pastorinha!

Que fazes por 'qui?!

 

Senhor vá-se embora

não me cause desgosto.

Pois virão os meus amos.

virão os meus amos,

trazer-me o almoço.

 

Linda pastorinha!

Que fazes por'qui?!

 

senhor vá-se embora,

não me cause pena,

pois virão nos meus amos

virão nos meus amos,

trazer-me a merenda.

...

 

(Meu pai cantava-me assim, quando era pequenina.

mas ao que vejo isto eram versos de escritos de Almeida Garret)

 

http://abrigodepastora.blogspot.com/2006/01/linda-pastora.html

publicado por emcontratempo às 12:39

04
Set 12

 

 

é um vaivém constante,

da porta p'ró armazém.

Ora lava, ora estende,

ora vai e ora vem.

Agora é uma colher,

que no lume fumega o tacho,

anda daí oh mulher.

olha o dia já vai baixo.

O sol estende seus raios,

espevitando de luz,

por entre os ramos das faias,

do mato, a sombra seduz.

Meus caminhos no quintal

meus passeios, meu jardim

anda mulher, olha o tacho,

nunca vi mulher assim.

ora vai e ora vem

da porta ao armazém

olha a roupa no estendal,

e o chireno da noitinha

pega toalha, avental

leva já para a cozinha

vai à sopa e põe o sal

já está temperadinha.

oh mulher, nessa toada,

inda vais ficar cansada...

by peregrina

publicado por emcontratempo às 23:39
tags:

19
Jan 12

 

 

Oh meus pais, quem me dera,

Sentir vossos braços, abraçar-vos,

Mas, só me resta a dura espera,

Vós, jamais ides voltar.

 

Como recordo, a infância,

vossos beijos e carinhos,

Adolencência e juventude,

a educação, a saúde,

Tudo feito ao certinho,

ainda que pobrezinho,

 

Oh meus pais, quem me dera!

 

Sempre que pisa a saudade,

Abraço vossos retratos e choro,

Fecho meus olhos,e vejo-vos

Consigo-vos encontrar,

no cantinho do meu ser,

onde sempre vão habitar.

 

Oh meus pais quem me dera!

Ter-vos aqui novamente.

Sarar esta longa espera,

Fazer do Passado presente.

 

Oh meus pais quem me dera!

publicado por emcontratempo às 00:45

06
Jan 12

 

 

São chegados os três Reis
Da parte do Oriente
Visitar o Rei da Glória
Nosso Deus Omnipotente.

Guiados por uma estrela
Que a todo mundo dá luz
Buscaram outra mais bela
Que é o Menino Jesus.

Herodes como malvado
Homem perverso e maligno
Aos Santos Reis ensinou
As avessas o caminho.

Mas Deus que tudo sabe
Usou de tal maravilha
Pôs uma estrela no céu
Para ser a sua guia

A estrela se escondeu
Chegando a uma cabana
Todos três se ajoelharam
A Jesus neto de Ana.


A cabana era pequena
Não cabiam todos os Três
Adoraram a Jesus
Cada um por sua vez

Ofereceram-lhe ouro fino
Como rei universal
Incenso como divino
E mirra como mortal

Os Santos Reis adoraram
A Jesus recém- nascido
Em memória deste dia
Todo o festejo é devido

 

tirado daqui

publicado por emcontratempo às 11:26

05
Jan 12

 

 

Bonito este poema do Cardeal D. Alexandre do Nascimento - sobre Maria

 

 

"Pergunta e Resposta"

 

Veio-me à mente, outro dia, esta pergunta:

"Porquê não deixou Deus no mundo, no nosso mundo,

Um retrato, uma pintura , vera imagem que fosse,

Do rosto lindo de morrer de pasmo

da Virgem Bendita, Nossa Senhora?"

 

Foi-me também respondido: "Vale mais, crê,

Que cada rosto de mulher que passa,

Possam os homens de fé e sentimento,

Encontrar traço, longínquo embora,

Do rosto divino da divina Mãe:

 

Está Jesus escondido em cada pobre,

Em cada mulher, esconde-se Maria".

 

(in almanaque das Missões)

publicado por emcontratempo às 10:26

Abril 2018
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
13
14

15
16
17
18
19
20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds
mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO